PERGUNTAS FREQUENTES

O sistema não permite visualizar o valor acima de R$ 100,00, para segurança do próprio usuário. Para consultar o saldo total do cartão, dirija-se a um dos postos de atendimento do SINDPASS com o cartão e o documento de identidade em mãos. A consulta será realizada na hora.

 

 

As recargas realizadas no cartão sempre são acumulativas, mesmo não usando o cartão regularmente.

 

Sim, todo o saldo que está ainda no cartão antigo é transferido para o novo sem qualquer alteração.

Todas as pessoas que possuem vinculo empregaticio, prestadores de serviços ou calaboradores de Empresa em que esta última se obrigue, observada a legislação em vigor, ao respectivo fornecimento.

Usuário: Procure o setor de RH da empresa onde trabalha. Pessoa Juridica: Clique no link “LOJA VIRTUAL” para fazer o cadastro da sua empresa e funcionários (veja o manual disponibilizado no site).Pessoa Física: Essa opção dever ser utilizada por pessoas que possuem funcionários particulares, tais como empregadas domésticas, motoristas, etc. O cadastro deve ser feito através do site www.sindpass.com.br, clicando no link “LOJA VIRTUAL”, escolher a opção PARA PESSOA FISICA QUE DESEJA CADASTRAR SEUS FUNCIONÁRIOS “CLIQUE AQUI” (veja manual disponivel no site).

Procure umas das agências do Sindpass habilitados para o cadastro e compra do mesmo.

Procure os postos de atendimento (consulte endereços e horários de funcionamento no link POSTOS DE ATENDIMENTO), apresente seu cartão para que seja avaliado. Constatado o mal uso a 2ª via será fornecida mediante ao pagamento de R$30,00 (trinta reais), constatado defeito do cartão será fornecida outra via gratuitamente.

Nas duas hipóteses procurar o RH da empresa e solicitar que a mesma preencha o documento de solicitação de cancelamento. O funcionário deve se direcionar até o posto de atendimento do SINDPASS mais próximo e solicitar a 2ª via mediante ao pagamento de R$ 30,00 (trinta reais).

Caso seja identificado, seu cartão será bloqueado, correndo o risco de ser cancelado. Já que o cartão é de uso pessoal e intrasferivel.

A fraude por clonagem ou falsificação é inviável em razão dos avençados conceitos de segurança que são empregados em sua fabricação.

A bilhetagem trouxe poucas alterações visuais nos coletivos. A mudança mais perceptível é a presença do validador, um equipamento no formato de uma caixa retangular, fixado em uma das colunas, ao lado do cobrador. O validador tem a função.

Ao apresentar o cartão ao validador, o passageiro recebe a informação dos créditos restantes abaixo de R$ 100,00 (cem reais) a fim de se ter maior segurança. O restante dos créditos será mostrado em barras, onde cada barra corresponde a 25% do saldo. Caso o titular do cartão queira saber o total dos créditos, deverá se dirigir a algum posto de atendimento do SINDPASS com o cartão e o RG e solicitar a leitura do saldo do cartão.

Sim. Observado aquilo que for combinado com a empresa onde trabalha ou presta serviço.

Procurar o RH da empresa e solicitar que a mesma preencha o documento de solicitação de cancelamento, logo após procurar um dos postos de atendimento para fazer o bloqueio do cartão e solicitar a 2ª via do mesmo. O usuário do cartão SINDCARD que optar por cancelar o cartão diretamente deverá comparecer a um dos postos de atendimento munido de RG e CPF, preencher e assinar a solicitação de cancelamento que após será comunicado a empresa para ciência.

Procurar o RH da empresa e solicitar que a mesma preencha o documento de solicitação de cancelamento. O funcionário deverá se direcionar ao posto de atendimento e solicitar a 2ª via mediante ao pagamento de R$30,00 (trinta reais). O usuário do cartão SINDCARD que optar por cancelar o cartão diretamente deverá comparecer a um dos postos de atendimento munido de RG e CPF, preencher e assinar a solicitação de cancelamento que após será comunicado a empresa para ciência.

A 2ª via será cobrada, pelo valor de R$30,00 (trinta reais) para o cartão Super Expresso, Expresso e Vale Transporte.

Não. O cartão é do funcionário, e poderá ser utilizado para a outra empresa onde o funcionário irá trabalhar. Após a recisão de trabalho, a empresa onde o funcionário trabalhava deve devolver o cartão.

Os cartões estarão no posto de atendimento 05 dias após a confirmação do pagamento do boleto.

As retiradas de primeira via pelas empresas através de seus prepostos, será realizado de segunda a sexta feira no horário de atendimento do respectivo posto.Os cartões serão retirados mediante ao documento obrigatório ” Autorização de Retirada”, documento que pode ser retirado no link DOCUMENTOS, seguindo o modelo padrão.

Sim, em qualquer cidade.

Na compra de cada cartão, a retirada dos cartões deve ser feita nos postos do SINDPASS. Logo após, a empresa deverá acessar o site e desbloquear os cartões, após o desbloqueio no site, o cartão leva até 48 horas para obter crédito.

Sim. O proprietário do cartão deve se dirigir a um dos postos de atendimento do SINDPASS, portando o próprio cartão e o RG, solicitando a consulta.

Será entregue a relação contendo o nome e o número de cada cartão.

Todo crédito é acumulativo. Caso não faça uso dos créditos no prazo de 12 meses, o cartão será bloqueado por questão se segurança do usuário. Neste caso, o usuário do cartão deve se dirigir a um dos postos de atendimento do SINDPASS com o cartão SINDCARD e o documento de identidade em mãos para que seja realizado o desbloqueio do cartão. Imediatamente as recargas pendentes serão disponibilizadas para o cliente.

A legislação do vale transporte garante que todas as compras de créditos realizadas até o dia anterior a publicação no órgão ofical passam ser utilizadas por 30 dias, com a cobrança do valor antigo da tarifa.

Os cartões Expresso e Super Expresso pagam quantas passagens forem necessárias desde que exista crédito suficiente.

Sim. Quando o empregador realizar o pagamento do pedido de recarga para o cartão do funcionário a recarga entrará automaticamente no cartão, bastando que o apresente em um dos validadores do sistema SINDCARD a bordo dos ônibus para que a recarga seja adicionada automaticamente ao cartão. O procedimento é diferente apenas nos casos em que o cartão ainda possuir recargas armazenadas. Essa situação ocorre porque o cartão SINDCARD possui capacidade de armazenamento de 2 arquivos distintos, que equivalem a 2 recargas. Somente serão armazenadas novas recargas na medida em que os créditos forem se esgotando. Assim, se houver uma recarga pendente ainda não armazanada no cartão, significa que ainda há créditos a serem utilizados.

Sempre que um funcionário estiver de férias, licença, ou for afastado temporária ou definitivamente (demissão) do seu quadro de colaboradores, por qualquer motivo que seja, deverá inativá-lo em seu cadastro, pois apenas os funcionários que estejam recebendo os créditos mensalmente devem permanecer ativos no sistema, a fim de que eventuais problemas com a conta da empresa não afetem o cartão do usuário.

O procedimento de inativação é o seguinte:

1) Após entrar no site www.sindpass.com.br, deverá clicar na aba Loja Virtual inserindo o CNPJ ou CPF cadastrado, bem como a senha de acesso para efetuar o seu login;

2) em seguida deverá entrar no menu Funcionários e clicar em Atualizar;

3) procurar o funcionário que deseja inativar, e, após encontrá-lo, deverá clicar no código que se encontra atrás do seu nome;

4) para inativar o funcionário deverá clicar no campos Status e escolher a opção Inativo;

5) Para finalizar clicar no botão Atualizar.

Caso ocorra alguma duvida sobre o procedimento acima, favor entrar em contato com o suporte pelo telefone (24) 2106-5656.

Prezados usuários e clientes do Sindpass, a importância da compra do vale transporte para seus empregados, vai além de sua obrigação legal, com base na Lei nº 7.418/1985, mas também evita qualquer tipo de discussão referente a pagamento de hora extra.

Isso porque, para aqueles funcionários que não usam o vale transporte e que são transportados por condução particular ou qualquer outro meio de transporte que não seja o transporte publico de passageiros regular, o tempo transcorrido no trajeto para o trabalho e vice e versa, poderá ser considerado pela justiça do trabalho como jornada de trabalho (hora in itinere), conforme art. 58, parágrafo 2º da CLT.

Assim, alertamos que a melhor forma de se evitar possível condenação de hora extra na justiça do trabalho com o horário in itinere, é a compra do vale transporte para os empregados.